Secretaria Municipal de Obras - SMO
Mobilidade urbana

11/11/2014 17:17:00


 

TRANSCARIOCA: segundo BRT da cidade liga a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional, cortando 27 bairros cariocas

 

 

A Transcarioca é o primeiro corredor de alta capacidade no sentido transversal da cidade.  O sistema de BRT (Bus Rapid Transit), entregue em 1º de junho de 2014​, atende importantes bairros cariocas das  zonas norte e oeste como Curicica, Taquara, Tanque, Praça Seca, Campinho, Madureira, Vaz Lobo, Vicente de Carvalho, Vila da Penha, Penha, Olaria e Ramos.  Única obra de mobilidade do Rio de Janeiro prevista na Matriz de Responsabilidades para a Copa do Mundo de 2014.
 
Dividida em dois lotes – trecho Barra da Tijuca x Penha e Penha x Ilha do Governador – a Transcarioca possui números expressivos: são 39 km de extensão, com 10 viadutos (sendo um estaiado), nove pontes (duas estaiadas), três mergulhões, 47 estações, cinco terminais – Alvorada, Taquara, Tanque, Madureira e Fundão. Para a implantação do BRT foram utilizadas mais de 21 mil toneladas de aço, o equivalente ao peso de mais de 18 estátuas do Cristo Redentor. Também foram empregados 270 mil metros cúbicos de concreto, material suficiente para construir três estádios do Maracanã. Mais de 200 mil toneladas de asfalto foram consumidas, o que em peso representa mais de 300 cúpulas da Igreja Candelária.
 
Desde março de 2011, cerca de 7.800 operários trabalharam na construção da Transcarioca.  A obra também possibilitou o remanejamento e reordenamento de 1500 postes de concessionárias, além de eliminar 11 pontos históricos de alagamentos ao longo do trajeto, sendo oito na Zona Norte e três na Zona Oeste.
 
O sistema tem capacidade para transportar até 320 mil passageiros por dia, integrando com a Estação de Metrô Vicente de Carvalho, estações de trem Madureira e Olaria, Transoeste no Terminal Alvorada e futuramente com Transolímpica e Transbrasil no Terminal Fundão.
 
As obras da Transcarioca contaram com recursos de R$ 1,7 bilhão, investimento compartilhado entre Governo Federal e Prefeitura. O sistema visa reduzir em mais de 60% o tempo gasto no trajeto entre os dois bairros, permitindo também a integração aos outros modais (trem, metrô e ciclovias) ao longo da via.
 
 
 
TRANSOESTE: obras de expansão do corredor expresso avançam até o Jardim Oceânico
 
A Prefeitura do Rio trabalha na implantação da última etapa do BRT Transoeste (lote 0), no trecho entre o Terminal Alvorada e o Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca. O traçado de seis quilômetros promoverá a futura integração do corredor expresso à Linha 4 do metrô (em construção pelo Governo do Estado no mesmo bairro) e completa os 52 quilômetros da via, em operação atualmente entre Barra da Tijuca, Santa Cruz e Paciência.
 
Atendendo aos moradores da região, a capacidade viária da Avenida das Américas será mantida, com três faixas de rolamento em cada sentido para tráfego geral. O BRT seguirá pela pista do meio, em pavimento de concreto, sendo implantado contíguo ao canteiro central, que será mantido, seguindo o traçado já implantado do BRT Transcarioca na Avenida Ayrton Senna.
 
Com expectativa de ampliar o atendimento da Transoeste para 230 mil pessoas por dia, o novo trecho contará com sete estações. Os ônibus articulados circularão pelas faixas centrais da Avenida das Américas desde o terminal até o Shopping Downtown.
 
BRT Transoeste
 
A Prefeitura já inaugurou 95% deste corredor expresso, com 52 quilômetros de extensão atualmente. A linha, que liga Santa Cruz e Campo Grande ao Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca, já reduziu o tempo de viagem dos passageiros em 40%. A última etapa do projeto faz parte do Plano de Políticas Públicas e consiste no trecho entre o Terminal Alvorada e o Jardim Oceânico (Lote 0) para integração com a Linha 4 do metrô, que operou durante os Jogos Rio 2016.
 
Primeiro BRT da cidade, totalmente segregado do tráfego geral, o BRT Transoeste é composto por linhas expressas e paradoras, incluindo os três terminais Alvorada, Santa Cruz e Campo Grande. Em operação no trecho Barra x Santa Cruz x Campo Grande desde junho de 2012, o investimento da Prefeitura do Rio na implantação do corredor é de R$ 1 bilhão.
 
 
RIO 2016: Transolímpica, primeira via expressa da cidade com BRT
 
Terceiro corredor BRT da cidade será a principal conexão entre os polos de competição Olímpica e Paraolímpica dos Jogos nas regiões da Barra e de Deodoro
 
 
A Prefeitura do Rio entregou no sábado (9/7) um dos principais legados dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para a mobilidade dos cariocas: a Transolímpica. A via expressa incorpora o sistema BRT e liga o Recreio dos Bandeirantes a Deodoro. O BRT da Transolímpica é o terceiro corredor exclusivo para ônibus rápidos do Rio e o segundo a atravessar a cidade transversalmente, somando-se aos serviços BRT Transoeste e Transcarioca - em funcionamento desde 2012 e 2014, respectivamente. Juntos, os três corredores serão responsáveis pelo transporte de mais de meio milhão de pessoas por dia.
 
A Transolímpica entrará em operação nos Jogos Rio 2016 atendendo exclusivamente os espectadores e a força de trabalho (Work Force) das instalações esportivas  através do BRT e a família olímpica nas duas faixas da via expressa dedicadas aos carros (em cada sentido) em veículos credenciados. A Via Expressa já está à disposição da família olímpica e os serviços de BRT para os Jogos terão início a partir do dia 18 de julho. 
 
Com 26 km de extensão, após as Olimpíadas, a via será aberta à população e fará a ligação intermodal com o BRT Transcarioca, em Curicica, e a Transoeste, no Recreio dos Bandeirantes, além de ser integrada aos trens da SuperVia e futuramente à Transbrasil, em Deodoro. A estimativa é que o tempo de viagem entre Deodoro e Recreio seja reduzido em 60%, beneficiando 70 mil passageiros por dia no BRT e comportando até 55 mil veículos diariamente na via expressa.
 
 
Iniciadas em julho de 2012, as obras da Transolímpica ​contaram com​ ​investimento de R$ 2,2 bilhões. Ao todo, a nova via possui 41 travessias entre viadutos, pontes e elevados, que possibilitam a integração de 11 regiões: Recreio dos Bandeirantes, Barra da Tijuca, Riocentro, Camorim, Curicica, Colônia Juliano Moreira, Taquara, Sulacap, Vila Militar, Magalhães Bastos e Deodoro. Entre os viadutos construídos estão o da Avenida Brasil, o sobre a Estrada São Pedro de Alcântara, Avenida Marechal Fontenelle, da Avenida Carlos Pontes, da Estrada da Boiúna, da Estrada do Rio Grande, da Rua Ipadú, da Estrada do Outeiro Santo, da Rua Sampaio Correia, da Rua André Rocha, do Rio Ventura, da Rua da Creche, da Estrada dos Bandeirantes e os elevados Duque de Caxias e de Curicica.
 
A implantação da Transolímpica contempla a abertura de novos caminhos pelo Maciço da Pedra Branca, por meio da construção de dois túneis, sendo quatro emboques – antigo pleito da população, viabilizado com os Jogos Rio 2016, que aguarda há pelo menos 30 anos esta nova alternativa viária à sobrecarregada Estrada do Catonho. O primeiro túnel, na Serra do Engelho Velho, conta com duas galerias e extensão de 2,8 km (1,4 km em cada sentido); já o segundo, situado na Estrada da Boiúna, possui duas galerias de 190 metros cada.
 
O túnel na Serra do Engenho Velho foi batizado de Túnel Senador Nelson Carneiro e o túnel da Estrada da Boiúna recebeu o nome do cantor Cauby Peixoto. Uma homenagem da cidade a dois importantes ícones nacionais.
 
​Ao construir a Transolímpica, a Prefeitura também requalificou as avenidas Embaixador Abelardo Bueno e Salvador Allende entre a Barra da Tijuca e o Recreio dos Bandeirantes. As duas avenidas passaram a ter cinco pistas por sentido, aumentando a capacidade de tráfego na região. Os trabalhos de adequação também providenciaram a implantação de sistema de drenagem e nova iluminação. As vias receberam ainda nova pavimentação, calçadas e ciclovia. O projeto de paisagismo contou com o plantio de 1.500 árvores e 133 mil m² de grama.
 
 

 

TRANSBRASIL: corredor expresso vai ligar as zonas Oeste, Norte e Centro da cidade 

 

 

Um corredor expresso de ônibus articulados ao longo da Avenida Brasil, desde Deodoro até o Centro da cidade, passando também pelas avenidas Presidente Vargas e Francisco Bicalho, na altura do Instituto de Traumatologia (Into). O BRT Transbrasil vai estabelecer um sistema de transporte de alta capacidade entre as zonas Oeste, Norte e o Centro da cidade. O investimento na primeira etapa das obras, de extensão de 23 km, é de R$ 1,4 bilhão. Parte do investimento será financiado pelo Governo Federal, por meio do PAC da Mobilidade Urbana. 
 
O trecho em construção prevê 16 estações de BRT e cinco novos viadutos. Outros seis viadutos e quatro pontes serão alargados. Já o traçado referente à chegada do BRT ao Centro encontra-se em detalhamento pela Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto (Cedurp).
 
O corredor deverá ter 28 quilômetros, com sete terminais (Deodoro, Margaridas, Missões, Fundão, Gasômetro, Américo Fontenelle e Presidente Vargas), ao todo, 20 estações e 17 passarelas. A expectativa é de que sejam atendidos 820 mil passageiros por dia, sendo o BRT que provavelmente terá maior demanda entre todos já projetados e implantados no mundo. A Transbrasil será atendida por dois terminais intermediários (Margaridas e Missões), conectando o sistema a corredores de elevadíssima demanda, como as rodovias federais BR-116 (Rio - São Paulo) e BR-040 (Rio - Juiz de Fora).
 
O sistema terá conexões com a Transcarioca (Barra da Tijuca/ Aeroporto Internacional) e Transolímpica (Recreio dos Bandeirantes/ Deodoro). O usuário também poderá fazer integração com o metrô e o trem.
 
O acesso às estações em grande parte do corredor será por meio de passarelas. Em seu traçado estão previstas obras de melhorias na pavimentação e na urbanização das vias; alargamento de um trecho da Av. Brasil e ordenamento viário no entorno (tráfego geral). A Secretaria Municipal de Obras também vai providenciar a reestruturação da rede de drenagem ao longo da via, com a implantação de nove projetos para correção de pontos de alagamento.
 
Ainda fazem parte do projeto mais de 30 mil metros quadrados de pontes e viadutos e o alargamento das pistas laterais da Av. Brasil entre de Irajá e Guadalupe.
 
Com a Transcarioca, Transoeste e Transolímpica, a Transbrasil vem fechar o anel viário de 155 quilômetros de alta performance na cidade, que ficará totalmente interligada. O sistema proporciona uma mobilidade mais inteligente e sustentável para a população carioca. A previsão de conclusão das obras da Transbrasil é 2017.



Serviços Serviços