Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro

 

 


 

Prefeito aciona implosão da antiga fábrica da Brahma no Sambódromo

Perímetro de 150 metros no entorno foi interditado neste domingo para moradores, pedestres e motoristas


05/06/2011 08:24:00


Foto: J.P. EngelbrechtO prefeito Eduardo Paes acionou na manhã deste domingo, dia 5, do prédio da Universidade Estácio de Sá, na Avenida Presidente Vargas, a implosão da antiga fábrica da Brahma, ao lado do Sambódromo. Como previsto, os quatro prédios e a chaminé começaram a ruir às 8h e a implosão usou 500 quilos de explosivos, durando 23 segundos. A demolição faz parte do projeto de ampliação do Sambódromo e dará lugar a novas arquibancadas e camarotes, ampliando a capacidade de público do Sambódromo de 60 mil para 77.688 pessoas. O prefeito estava acompanhado do secretário Municipal de Turismo e presidente da Riotur, Antonio Pedro Figueira de Mello, e do diretor de relações socioambientais da Ambev, Sandro Bassilli.


Com investimentos de R$ 30 milhões, as intervenções serão custeadas pela Ambev, sem gerar nenhum ônus aos cofres públicos. A reforma vai resgatar o projeto original de Oscar Niemeyer, que previa um equilíbrio entre os dois lados da Marquês de Sapucaí. Além disso, ela atende também ao compromisso da cidade com os Jogos Olímpicos de 2016 e prevê adaptações para a realização das provas de maratona (chegada) e tiro com arco.

 

Foto: J.P. EngelbrechtApós a implosão, o prefeito Eduardo Paes qualificou a ação como “um grande sucesso” e comentou a transformação daquela área:

 

- Essa é mais uma obra importante para a Olimpíada. O Rio está antecipado no calendário dos jogos, e essa é a marca que a gente quer deixar, de organização. Com essa obra, a gente qualifica mais um lugar que a cidade usa com frequência no maior show do planeta, que é o Carnaval carioca. Vamos trabalhar para entregar o novo Sambódromo em dezembro deste ano, para que aconteçam os ensaios técnicos das escolas de samba do grupo especial – disse.

- Esse é um processo natural de revitalização dessa área da Cidade Nova. Com a ampliação do Sambódromo teremos um prédio comercial totalmente novo aqui. A tendência é de que essa região se qualifique cada vez mais e perca um pouco essa área de degradação existente – afirmou.

 

Foto: J.P. EngelbrechtA obra inclui a demolição do prédio da Brahma e do setor 2 (camarotes) para dar lugar a quatro novos blocos com arquibancadas, camarotes e frisas similares aos existentes do outro lado da Passarela do Samba. Cada novo bloco construído terá uma arquibancada para 2.880 pessoas, 48 camarotes para 576 pessoas e frisas, no térreo de cada bloco, com capacidade para 1.194 expectadores. Serão construídos também quatro blocos intermediários, cada um com cinco camarotes para 60 pessoas. Na obra estão previstos ainda a construção de acessos para portadores de deficiências, postos médicos, sala de segurança, áreas de serviço e um espaço para os jurados.

O secretário Antônio Pedro Figueira de Mello explicou como será o processo da reforma a partir de agora:

Foto: Beth Santos- A implosão foi um sucesso absoluto e agora começa o trabalho da limpeza. Todo o material será reutilizado na própria obra e já estamos com uma máquina aqui que vai transformar tudo em brita. Enfim, essa é uma obra sustentável e ecologicamente correta. Deixamos aqui mais um legado para a cidade, já que será palco da maratona e do tiro com arco nas Olimpíadas de 2016 – ressaltou.

 

Por uma questão de segurança, 500 imóveis localizados na região de segurança máxima – um raio de 150 metros que abrange a Rua Benedito Hipólito e Avenida Salvador de Sá, a partir da Rua Carmo Neto – foram evacuados. Os moradores deixaram as suas casas antes das 7h deste domingo e seguiram para um lugar seguro até o término da implosão e a liberação da área pela Defesa Civil. Sinais sonoros foram acionados para alertar a população local sobre os preparativos e o início da implosão e, um pouco antes, uma pequena explosão foi feita para espantar os pássaros do local.

Foto: Beth SantosDesde a última segunda-feira, agentes da Prefeitura estiveram visitando moradores e comerciantes e distribuindo panfletos informativos sobre a operação especial para a população do entorno da passarela do samba. Neste domingo, 20 técnicos da Defesa Civil trabalharam na inspeção, varredura e isolamento do entorno, garantindo a segurança dos moradores e das pessoas que circulam pelo local, além de ajudar na retirada daquelas com dificuldades de locomoção.

O responsável técnico pela detonação, Giordano Bruno Pinto, da empresa Fábio Bruno Construções, fez um balanço da implosão:

- A implosão foi perfeita e não tivemos nenhum registro de problemas. Colocamos um espelho a três metros de detonação para ver se haveria alguma avaria e o espelho está intacto, o bar que está atrás da detonação, que era um local de risco, não foi atingido. Fizemos um ensaio de vibração e ele demonstrou um quinto do que é permitido pela ABNT. Estamos bem satisfeitos com o trabalho – disse, explicando que para a realização do trabalho foram necessários 30 dias para perfuração e dois dias de montagem para todo o carregamento dos explosivos.


Foto: Beth SantosSobre a Passarela Professor Darcy Ribeiro

Projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer, a Passarela Professor Darcy Ribeiro, popularmente conhecida como Sambódromo, foi construída em apenas 120 dias, com o uso de técnicas de construção pré-moldada em concreto armado. A pista da Passarela do Samba tem 700 metros de extensão e 13 metros de largura. O local, que tinha capacidade para aproximadamente 60 mil espectadores, foi inaugurado em 1984. 



Texto: Juliana Romar
Fotos: Beth Santos e J.P. Engelbrecht


Imagens relacionadas:

















Serviços Serviços