Leishmaniose Visceral

A leishmaniose visceral é uma zoonose grave causada por um protozoário (Leishmania infantum chagasi) que acomete pessoas e algumas espécies de mamíferos domésticos e silvestres. Pessoas imunossuprimidas, crianças e idosos são mais suscetíveis à essa doença, que, quando não tratada, pode levar à morte.

 

Transmissão

A leishmaniose visceral é transmitida ao homem e ao animal pela picada de insetos vetores infectados conhecidos como mosquito palha, de cor amarelada ou cor de palha, pequenos e mais ativos ao amanhecer, ao final da tarde e à noite. Os vetores geralmente são encontrados em locais sombreados, úmidos e ricos em matéria orgânica. 
 
A transmissão da doença ocorre quando a fêmea do mosquito se alimenta de sangue de um cão infectado, em seu tubo digestivo o parasita se multiplica e se torna infectante. Ela, então, vai inocular essas formas infectantes de leishmania em outro animal, quando for novamente se alimentar.
 
Os animais infectados podem ser fonte de infecção para outros animais e para as pessoas também. Os casos caninos geralmente precedem os casos humanos.

 

Sinais e Sintomas

A leishmaniose visceral é uma doença crônica, caracterizada no homem por:

• Febre de longa duração

• Perda de apetite

• Emagrecimento

• Fraqueza

• Barriga inchada (pelo aumento do baço e do fígado)

• Anemia, dentre outras manifestações clínicas.
 
 
Nos cães o parasito se dissemina, provoca a doença e sintomas como:
 
• Perda de apetite

• Emagrecimento progressivo

• Feridas na pele (que demoram a cicatrizar), principalmente no focinho, orelhas, articulações e cauda

• Pelos opacos, descamação e perda de pelos

• Crescimento anormal das unhas

• Diarréia, vômito e sangramento intestinal.

 

Prevenção e Controle

A única forma de detectar a infecção nos cães, para identificação e confirmação, é por meio de exames laboratoriais específicos.
 
É importante evitar a criação e proliferação do inseto vetor da doença, que se reproduz no meio de matéria orgânica e em criadouros de animais. Para isso deve-se:

• Evitar a criação de porcos e galinhas em área urbana

• Manter a casa e o quintal livres de matéria orgânica, recolhendo folhas e galhos de árvores, fezes de animais, restos de madeira e frutas

• Todo o lixo deve ser embalado e fechado em sacos plásticos

• Os proprietários de terrenos desocupados devem adotar as mesmas medidas descritas acima.

 
Como medidas de proteção individual são recomendadas o uso de mosquiteiros e telas de portas e janelas com malha fina, uso de repelentes e a não exposição nos horários de atividade do vetor (entre o pôr do sol e o amanhecer).

 
Os cães também necessitam de proteção contra a picada dos flebotomíneos. Para isso, recomenda-se:

• O uso de coleiras repelentes de insetos (impregnadas com deltametrina a 4%), que devem ser trocadas a cada seis meses

• Manter o animal em ambientes telados com malha fina durante o período de maior atividade do inseto transmissor

• Manter o abrigo dos animais sempre limpo, sem fezes ou restos de alimento

• Adotar a posse responsável de cães e gatos, não permitindo que os mesmos fiquem soltos nas ruas

Não é permitido o tratamento da leishmaniose visceral canina com medicamentos de uso humano (Portaria Interministerial Nº1.426, de 11 de julho de 2008).
 
Entretanto, o tratamento com medicamentos de uso exclusivo em cães foi autorizado, associado sempre ao uso contínuo de coleiras repelentes, segundo a Nota Técnica Conjunta n° 001/2016 MAPA/MS, assinada pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento e pelo Ministério da Saúde.
 
É importante salientar que os cães tratados não são curados parasitologicamente, permanecendo como reservatórios do parasito, apesar da melhora clínica.
 

Informações Importantes

A Secretaria Municipal de Saúde realiza, de forma gratuita, o atendimento dos casos suspeitos de leishmaniose visceral canina e o diagnóstico laboratorial no Centro de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman, localizado na Avenida Bartolomeu de Gusmão, 1.120 - Mangueira.
 
O IVISA-Rio recebe chamados por meio da Central de Atendimento 1746 e das Notificações de Leishmaniose. São realizadas inspeções zoosanitárias nos locais identificados, com testagem inicial dos animais suspeitos e coleta de material para exame laboratorial confirmatório. Caso o resultado da análise confirmatória seja positivo, a equipe retorna ao endereço para prosseguir com as medidas preconizadas para controle da doença.
 
No momento da visita também são realizadas orientações quanto aos cuidados com relação ao ambiente e os riscos da doença. 
 
Os procedimentos técnicos são realizados por médicos veterinários e profissionais treinados do Centro de Controle de Zoonoses Paulo Dacorso Filho (CCZ). Qualquer procedimento sugerido só ocorrerá mediante a concordância do responsável pelo animal.

 

Notificação

Casos suspeitos ou confirmados de leishmaniose visceral canina ou felina precisam ser notificados à Secretaria Municipal de Saúde, via preenchimento de um formulário eletrônico, cujo link está disponível na página da Vigilância Sanitária e no Facebook. Trata-se de um formulário de preenchimento simples, para que médicos veterinários da cidade do Rio de Janeiro ou outras pessoas possam informar a ocorrência de casos. Os dados são sigilosos e não serão divulgados. Essa notificação é importante para que a Secretaria Municipal de Saúde possa ter conhecimento sobre as áreas com maior risco para a ocorrência de casos humanos e animais, visando à adoção das medidas de controle pertinentes. Vale ressaltar que a Vigilância Sanitária não vai interferir na conduta clínica do médico veterinário, desde que ele siga a legislação vigente.
 
Tanto o profissional médico veterinário no atendimento clínico, quanto o responsável pelo animal podem efetuar a notificação da doença suspeita ou confirmada.
 

Nota Técnica

 

1º Boletim Epidemiológico IVISA-Rio