Encontro pela paz vai reunir escolas no Aterro do Flamengo domingo, dia 2 de julho

Você é nosso convidado. Venha se juntar às escolas do Rio contra a violência em ato a partir das 9h, nas proximidades do Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial.


22/05/2017 11:47:00


 

A violência está ferindo de morte a Educação do Rio de Janeiro. Por isso, as 1537 escolas do município vão fazer um encontro especial no dia 2 de julho, no Aterro do Flamengo, reunindo milhares de alunos, professores e funcionários em ato pela paz. As escolas querem e precisam construir lugares de paz -- sem violência, sem racismo, sem preconceito, sem humilhação. Junte-se a nós na luta pela construção de lugares de paz no município. 

 

 

A Secretaria Municipal de Educação acredita que a questão da violência se tornou central na vida social do Rio de Janeiro. Do início do ano letivo, dia 2 de fevereiro, até agora, ela feriu de morte uma de nossas crianças, machucou professores e funcionários da Educação e deixou mais de 104 mil alunos de 320 escolas públicas sem aulas em bairros e comunidades como Lins, Complexo da Maré, Complexo da Penha, Complexo do Alemão, Vila Kennedy, Caju, Cidade Alta, Complexo do Chapadão, Acari, entre outros.

 

Diante de tudo que se abateu sobre nós, fomos concebendo a ideia de colocar a força de nossas escolas na direção da paz, mesmo sabendo que não podemos resolver a questão da violência no Rio de Janeiro. Decidimos começar um movimento dentro das escolas para acabar com a violência, com o mote "Aqui é um lugar de paz".

 

O primeiro momento dessa campanha é uma reflexão das próprias escolas diante de si mesmas, para que possamos construir lugares de paz -- sem violência, sem racismo, sem preconceito, sem humilhação. Estamos chamando as nossas 1537 escolas para a construção de lugares de paz no Rio de Janeiro.

 

Não é uma campanha da Secretaria de Educação para as escolas. É uma campanha das escolas. E hoje também de toda as secretarias da Prefeitura. Estão conosco o pessoal da Saúde, da Cultura, da Comlurb, da Ordem Pública, da Assistência Social e Direitos Humanos, da Conservação e Meio Ambiente, CET-RIO enfim todos os órgãos da Prefeitura.


Não é uma campanha para as crianças e jovens. É uma campanha das crianças e dos jovens. Este é o sentido de nossa mobilização civilizatória, iniciada no dia 02 de julho no Ato pela Paz, a ser realizado no Aterro do Flamengo, nas proximidades do Monumento aos Mortos na Segunda Guerra Mundial.

 

Os protagonistas do Encontro serão os nossos alunos – e junto com eles, naturalmente, os(as) diretores(as), professores(as), funcionários(as), pais e responsáveis. As atividades ocorrerão de forma espontânea e descentralizada. Políticos de qualquer partido serão bem-vindos, mas na condição de cidadãos comuns, sem destaque especial. Não haverá nenhuma celeração religiosa, nossa rede é laica e republicana. Líderes religiosos também serão bem-vindos – como cidadãos comuns, sem destaque especial.

 

Institituições científicas, como a Fiocruz, grupos organizados, como escoteiros e capoeiristas, a Unesco, Unicef, o Observatório de Favelas, a Rede da Maré, a Comdef- Rio (Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência) são exemplos de entidades que estarão conosco. Haverá outras. A adesão tem crescido.

 

Nós, da Educação, estamos propondo um caminho, convidando a nós mesmos para melhorar e convidando a sociedade a se juntar nessa luta fundamental para a sobrevivência da cidade do Rio de Janeiro.

 

Assine você também o manifesto da Educação pela Paz no Rio de Janeiro


O direito à vida é o primeiro e mais importante direito de todos. Os profissionais da educação, os pais e responsáveis, as crianças e jovens estão se mobilizando para defendê-lo.

 

Começaremos pelas nossas escolas, dizendo em toda a rede que "Aqui é um lugar de paz". Cada escola está chamada a rever seus valores e práticas, para que seja, de fato, um espaço de convivência sadia entre todos os que a frequentam.

 

Queremos uma escola sem violência, sem humilhações, sem racismo, sem preconceitos, sem drogas, em que todos se sintam bem.

Levaremos o movimento à sociedade, pedindo paz e justiça social. O Rio de Janeiro está cansado de uma guerra que ameaça e prejudica todos os seus moradores.

 

A difícil situação que vivemos hoje foi construída ao longo de muitos anos. Não terminaremos com ela da noite para o dia. Será uma longa caminhada. Mas somos muitos: 1.537 escolas, 650 mil alunos, 65 mil professores e funcionários, mais de 1 milhão de pais e responsáveis.

 

Unidos, formamos uma força poderosa. Pela paz.

 

Junte-se a nós.

 

Nosso movimento começa nas escolas e não tem data para terminar. No dia 02 de julho, um domingo, a comunidade escolar do Rio de Janeiro se concentrará de manhã. Será uma festa bonita. Você é nosso convidado.

 

Venha conosco celebrar a paz. Traga as crianças. É por elas, antes de tudo, que estamos lutando.