Guarda Municipal do Rio de Janeiro - GM-Rio
Guardas municipais recebem treinamento de armas não-letais com especialistas da Condor

Capacitação vai habilitar 60 novos instrutores e atualizar as técnicas de uso dos equipamentos que foram adquiridos da empresa este ano


22/10/2019 09:03:00


A Guarda Municipal do Rio (GM-Rio) recebe treinamento da Condor Tecnologias Não-Letais, que irá habilitar 60 guardas municipais a se tornarem instrutores no uso de pistolas elétricas incapacitantes e de espargidores de gás de pimenta, também chamados de instrumentos de menor potencial ofensivo (IMPO). A capacitação vai até quinta-feira, dia 6, e está sendo ministrada por dois especialistas da Condor. Na sexta-feira, dia 7, outros 30 guardas – dos 184 já habilitados - passarão por curso de atualização das técnicas, que será ministrado também a agentes da Guarda de Nova Friburgo, Região Serrana do estado.

 

Em outubro deste ano, a GM-Rio adquiriu dois mil dispositivos elétricos incapacitantes da Condor no valor total de R$ 9,471 milhões. A empresa entregou, inicialmente, mil pistolas Spark que serão utilizadas este mês de dezembro pelos agentes.

 

– O treinamento e a atualização da técnica de manuseio da pistola são essenciais para a atuação operacional nas ruas. Nos próximos dias, iniciaremos a distribuição entre os guardas que já foram habilitados. O equipamento trará mais segurança para os nossos guardas e certamente inibirá a prática de delitos de uma pessoa mal intencionada – afirma a comandante da Guarda Municipal do Rio, inspetora geral Tatiana Mendes.

 

Para o secretário municipal de Ordem Pública, Paulo Amendola, o treinamento é condição prioritária para preparar os agentes no uso do equipamento, que é utilizado por forças de apoio à segurança urbana por ser eficaz nas operações reduzindo riscos à vida humana.

 

– As armas não letais são as mais modernas do mercado e são fruto do primeiro ano de investimentos do Fundo Especial de Ordem Pública, criado pelo Prefeito Marcelo Crivella, para equipar a instituição e ampliar as ações de segurança para a população. No mês passado, o Fundo possibilitou a renovação da frota da GM-Rio – destacou o secretário municipal de Ordem Pública, Paulo Amendola.

 

Além do treinamento especial voltado para instrutores, que se tornarão agentes multiplicadores dentro das unidades operacionais, a GM-Rio dá continuidade à capacitação do efetivo para habilitar mais guardas a utilizar os equipamentos de menor potencial ofensivo. O curso é promovido pela Academia de Ensino e acontece na sede da instituição, em São Cristóvão, e no Parque Radical de Deodoro. Até o momento, 241 guardas municipais de diversas unidades operacionais foram capacitados nos últimos meses. Outros 3.474 guardas já passaram por capacitações anteriores.

 

Uso de equipamentos não-letais na GM-Rio

O uso do Instrumento de Menor Potencial Ofensivo (IMPO) segue um protocolo de atuação conhecido como Manual de Uso Diferenciado da Força criado pela instituição. O modelo atende ao perfil de atuação e às atribuições da Guarda Municipal e está em consonância com as práticas adotadas em todo o mundo. O manual é um passo a passo que orienta a atuação dos agentes.

 

A utilização dos instrumentos de menor potencial ofensivo traz uma segurança a mais nas ações tanto para o agente que o utiliza quanto para a preservação da integridade de vítimas e agressores. A utilização do equipamento por um guarda bem treinado já funciona para inibir uma atitude ou ação irregular.

 

Atualmente, a Guarda Municipal utiliza ainda lançadores que efetuam disparo de munições de impacto controlado (borracha) e de emissão de gás CS (gás lacrimogêneo) e granadas de efeito moral e emissão de gás lacrimogêneo.

 

Em abril de 2018, decisão da Justiça sobre uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público derrubou liminar de setembro de 2013 que proibia o uso da taser (pistola de eletrochoque) e o spray de pimenta. Vale registrar que de 2009 a 2013, período em que a Guarda Municipal fez uso da taser, foram efetuados somente três disparos reais (fora de treinamento), sem registro de dano.

 

Sobre a Condor e a Spark

A brasileira Condor Tecnologias Não Letais está há 33 anos no mercado e é uma das playes globais no segmento não letal. Ela não apenas investe em novas tecnologias como é uma propagadora do conceito não letal, ou seja, o uso da arma de fogo como última e não primeira opção, tal qual recomendado pelo 8º Congresso na ONU, realizado em 1990, em Havana.

 

A Spark Z 2.0 é o primeiro dispositivo elétrico incapacitante fabricado no Brasil. A Spark dispara dois dardos capazes de neutralizar sem causar lesão permanente ou morte e está em sua segunda geração, a Z 2.0.

 

O novo modelo oferece inovações tecnológicas que tornam o dispositivo ainda mais eficaz e seguro. A nova Spark traz um sistema de ejeção de cartucho ambidestro, lanterna de led para uso em operação noturna e conexão wi-fi, possibilitando a transmissão de dados sem uso de cabo entre a arma e o datakit, que pode coletar informações de 100 unidades de uma só vez. Ela disponibiliza, também, um sistema de neutralização que pode ser usado pelo policial como item de segurança. Com isso, se o agente da lei tiver sua arma subtraída, em consequência do distanciamento do agente o armamento não terá funcionalidade alguma.  


Imagens relacionadas: