Guarda Municipal do Rio de Janeiro - GM-Rio
Guarda Municipal registra 1.463 abordagens ocorrências em três meses de atuação de motociclistas

Programa de Motopatrulhamento conta com 176 guardas e atuação nas zonas Norte, Sul e Oeste da cidade


06/11/2018 16:51:00


A Guarda Municipal do Rio de Janeiro registrou 1.463 abordagens a suspeitos e 106 ocorrências em três meses de atuação do Grupamento de Guardas Motociclistas (GGM), que foi lançado em agosto com a doação de 100 motocicletas pelo Grupo Multiplan. A média diária é de 16 abordagens feitas pelos guardas em casos de suspeita de pequenos delitos e em operações conjuntas com a Polícia Militar. Do total de ocorrências, 11 foram de prisões, 38 casos de condução de suspeitos para delegacias e 38 registros de furtos a pedestres, sendo três a turistas, a maioria telefone celular furtado em Copacabana. As equipes também prestaram diversos tipos de auxílio ao cidadão, como no caso de vítimas de mal súbito, de atropelamentos e de acidentes de trânsito.

 

O programa de motopatrulhamento começou no dia 26 de agosto e está entre as diversas medidas que vêm sendo adotadas pela Prefeitura do Rio para contribuir com as forças de segurança pública na redução dos índices de criminalidade na cidade. O GGM atua em rondas preventivas e ostensivas, alinhadas a ações integradas de tecnologia com o recebimento de informações e imagens do Núcleo de Videopatrulhamento e da Assessoria de Inteligência da Guarda Municipal.

 

- O resultado comprova que o caminho é a prevenção e tivemos um retorno bastante positivo das delegacias e dos batalhões sobre a atuação do GGM. Estamos conseguindo dar essa resposta ao cidadão, prestando o apoio nas ruas e contribuindo para reduzir os indicadores de furtos locais com auxílio das imagens das câmeras - afirma a inspetora Tatiana Mendes, comandante da Guarda Municipal.

 

Com o efetivo total de 176 guardas motociclistas e garupeiros, o GGM realiza hoje o motopatrulhamento na Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Vargem Grande e Pequena, na Zona Oeste; Irajá, Brás de Pina, Vila da Penha, Vista Alegre, Colégio e Ilha do Governador, na Zona Norte; e Copacabana, Leme, Ipanema e Leblon, na Zona Sul.

 

A atuação se baseia nos indicadores de criminalidade do Instituto de Segurança Pública (ISP) que apontam os locais onde os crimes de menor potencial ofensivo (como roubos e furtos a transeunte e turistas) são mais elevados. O programa conta ainda com parcerias entre a Guarda Municipal e os batalhões da Polícia Militar e as delegacias de Polícia Civil, e demais órgãos e entidades da sociedade civil, para a melhoria da qualidade de vida da população carioca.


Imagens relacionadas: