Defesa Civil
Verão 2019: Defesa Civil do Município comanda simulado de desocupação em comunidade no Itanhangá

24/11/2018 16:40:00


Parte da preparação da Prefeitura para o período de fortes chuvas, ação acontece em área de alto risco com 520 moradorias

A Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, integrada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), realiza, às 9h deste domingo (25), simulado de desocupação de áreas de risco de deslizamento na comunidade Sítio Pai João, no Itanhangá. A região é uma das 103 áreas de alto risco da cidade monitoradas pelo Sistema de Alerta e Alarme Comunitário para Chuvas Fortes da Defesa Civil. Parte da preparação da Prefeitura para o verão - e dentro da semana Estadual de Redução a Desastres -, o simulado segue protocolos de resposta a desastres naturais para treinar moradores quanto aos procedimentos de desocupação em casos de fortes chuvas.

 

Simulado - Coordenado por técnicos da Defesa Civil, o exercício usa sirenes e SMS de alerta, além da ação integrada de agentes comunitários de saúde (ACS), de voluntários e de integrantes das associações de moradores (treinados previamente pelo órgão), beneficiando uma região que tem 520 moradias. O objetivo é transferir a população dessas áreas para pontos seguros, pré-determinados e livres de riscos. O simulado integra um conjunto de atividades de preparação e resposta para garantir a segurança comunitária, construindo uma cultura de prevenção entre os residentes.

 

A preparação começou uma semana antes do simulado, com panfletagem de aviso sobre o treinamento. A comunidade possui cerca de 520 moradias, segundo levantamento da Geo-Rio e da Secretaria de Urbanismo. A Defesa Civil Estadual, a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH) e a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) também participarão da atividade.

 

Tragédia- A comunidade Sítio do Pai João, no Itanhangá, zona oeste do Rio, foi incluída no Sistema de Alerta e Alarme para Chuvas Fortes durante o mapeamento das áreas de alto risco geológico feito pela Geo-Rio após as chuvas de abril de 2010. O sistema começou a operar em 2011 em 103 comunidades cariocas. Em 13 de fevereiro de 1996, a comunidade vivenciou uma tragédia após uma encosta desabar durante forte temporal, deixando 20 mortos e 170 famílias desabrigadas. De janeiro a novembro deste ano, a Defesa Civil - por meio da equipe de engenheiros, arquitetos e agentes operacionais - executou 12.019 vistorias técnicas em todo o Rio.

 

Sistema de Alerta e Alarme – Atualmente, há 83 pluviômetros da Defesa Civil em pontos estratégicos da cidade, 165 sirenes e 193 pontos de apoio em 103 comunidades do município com alto risco de deslizamentos. Por meio do monitoramento dos índices críticos de chuva, efetuado pelos meteorologistas lotados no Centro de Operações Rio (COR), o processo de acionamento das estações sonoras é ativado.  Os profissionais da Defesa Civil do Rio atuam, de forma integrada, 24 horas/dia no COR.

Informações via SMS-  Qualquer pessoa pode receber mensagens da Defesa Civil por meio de adesão voluntária para ser alertado, em tempo real, sobre a ocorrência de chuvas fortes no local onde mora. O cadastro é simples, rápido e gratuito: o cidadão deve enviar o CEP da residência para o número 40199.

A lista com as comunidades que possuem o Sistema de Alarme Sonoro podem ser encontradas no seguinte link: http://w-ww.rio.rj.gov.br/web/defesacivil/mapas-do-sistema-de-alerta-e-alarme

 

DATA: 25/11/2018

HORÁRIO: 9h

PONTO DE ENCONTRO: Centro São João Batista Ordem de Malta - Estrada do Itanhangá 260




Serviços Serviços